Total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

ATRAÇÃO MUSICAL DE SEXTA (1º) É PAULO XOXÔ NA AABB ITABUNA

Paulo Xoxô na Cabana do Tempo da AABB

Paulo Xoxô vai soltar sua voz vibrante essa sexta na AABB


Nessa sexta-feira (01/12), a partir das oito da noite, quem solta a voz na Cabana do Tempo é Paulo Xoxô. E, como em todas as sextas à noite, aqueles que curtem boa música ao vivo terão entrada e estacionamento interno liberados pela AABB Itabuna

Segundo o vice-presidente social Raul Vilas Boas, sócios e não sócios podem chegar à vontade. “Pode vir com os amigos, a família e até as crianças que todos têm como se divertir e todos são bem-vindos”.

Já o vice-presidente administrativo da AABB, João Xavier, informa que a Cabana do Tempo conta com bar e restaurante próprios do clube. ”Sai mais em conta que outras casas de nível de Itabuna porque não cobramos couvert artístico nem 10% de gorjeta”, lembra Xavier.

A AABB Itabuna fica na Rua Espanha s/n, travessa da Rua Europa Unida, no São Judas. Quem vem do litoral, o acesso é pela Calixto Midlej (ponte nova) e Vila Zara. Pra quem vem do interior, Beira-Rio, via Shopping e Conceição. Os telefones do clube são (73) 3211-4843 e 3211-2771 (Oi fixo).


Contato – Raul Vilas Boas: (73) 9.8888-8376 (Oi) / (73) 9.9112-8444 (Tim)
Assessoria de Imprensa – Carlos Malluta: (73) 9.9133-4523 (Tim) / (73) 9.8877-7701 (Oi)

* * *

ACADÊMICO E JURISTA ALBERTO VENANCIO FILHO COORDENA NA ABL O CICLO DE CONFERÊNCIAS DE DEZEMBRO, INTITULADO ‘MEMÓRIA REVERENCIADA’

A Academia Brasileira de Letras abre seu ciclo de conferências do mês de dezembro de 2017, intitulado Memória reverenciada, com palestra do Acadêmico, historiador e professor Arno Wehling. A coordenação será do Acadêmico e jurista Alberto Venancio Filho.

A primeira palestra, com o Acadêmico e historiador Arno Wehling, terá como tema “Oliveira Lima – História e interpretações”, no dia 5 de dezembro, terça-feira, às 17h30min, no Teatro R. Magalhães Jr., Avenida Presidente Wilson 203, Castelo, Rio de Janeiro. Entrada franca.

A Acadêmica e escritora Ana Maria Machado, Primeira-Secretária da ABL, é a Coordenadora-Geral dos ciclos de conferências de 2017.

Memória reverenciada presta homenagem a dois Acadêmicos fundadores da ABL, que estariam completando 150 anos de nascimento em 2017: Oliveira Lima (1867-1928) e Medeiros e Albuquerque (1867-1934), cujas biografias podem ser lidas no portal da ABL.

O ciclo terá mais uma palestra, no dia 12 de dezembro, com o Acadêmico e Embaixador João Almino, intitulada Medeiros e Albuquerque, irrequieto inovador.

Serão fornecidos certificados de presença.

29/11/2017



* * *

ITABUNA CENTENÁRIA UM SONETO: Geraldo Maia - Os mortos não amam

OS MORTOS NÃO AMAM


Estavas nua e o frio mordia a tua pele
teu coração tremia todo quase mudo
os olhos gemiam em solidão de neve
as mãos se contorciam carentes de tudo 

E feito louco vesti tua nudez com fogo
porque incendiaste de luz meu deserto
chegaste em meu barco com jeito de porto
ante cada erro meu tecias algo certo 

E quando já refeita dos açoites do inverno
a pulsação bem forte o gesto em riste
apagaste tua luz acendeste o inferno

e meu caminho agora sem ti é tão triste
mas é bom que não precisas mais de meu corpo
e alma se fizeste de mim um bem morto

 ===

Geraldo Maia, poeta 
Estudou Jornalismo na instituição de ensino PUC-RIO (incompleto)
Estudou na instituição de ensino ESCOLA DE TEATRO DA UFBA
Coordenou Livro, Leitura e literatura na empresa Fundação Pedro Calmon
Trabalha na empresa Folha Notícias,

Filho de Itabuna/BA/BRASIL, reside em Louveira /SP.

* * *

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

SAUDADES – Maria do Carmo Machado d’Oliveira

Clique sobre a foto, para vê-la no tamanho original
Saudades!


Minh'alma, voando, me leva ao passado
Mergulhos profundos nas águas falantes do meu Cachoeira
alegre, ligeiro, passando adiante a sua alegria
deixando chegar um novo falar, um conto de fadas em cada corrente,
um baile, um convite, para o meu meninar. 
Os gritos, os pulos, as correrias,  
cambalhotas, gritos alegres da garotada comigo a nadar.
Ah, meu Cachoeira, pra onde você foi?
Cadê suas águas limpinhas, nas quais me banhei?
Pra onde mandaram as suas piabas,
nadando faceiras, bem perto de mim,
e seus camarões escondidos nas pedras,
brincando de esconde-esconde,
com quem lhes buscava nas mãos segurar
E a grama tão verde a lhe circundar, que foi feito, onde está?
Em suas águas nadei. Que saudade eu tenho de ti meu amigo!
... Infância bendita que me sustentou,
pra vida madura de lutas e muros que eu soube enfrentar.
Suas águas tão frias, nas tardes distantes, aqueceram a minha alma,
abriram meu peito, me ensinaram a sonhar.


Maria do Carmo Machado d'Oliveira  - Professora e poetisa Itabunense, residente em São Gonçalo dos Campos – BA.

* * *

5ª FEIRA UNIVERSITÁRIA DO LIVRO – UESC 2017

C O N V I T E

Clique sobre as fotos, para vê-las no tamanho original



Por uma Leitura mais Social 

De 5 a 8/12/2017

Universidade Estadual de Santa Cruz-UESC
* * *

terça-feira, 28 de novembro de 2017

ITABUNA CENTENÁRIA SORRINDO: DIGA AO POVO QUE BENFICO! - Agamenon Mendes Pedreira


27 nov 2017

A que estado chegamos! O Estado do Rio, é claro! O presídio de Benfica agora tem entre seus hóspedes o ex-governador Sérgio Cobrou Filho, Jorge Puccilânime (presidente da ALERJ – Assembleia dos Ladrões do Rio de Janeiro), Carlos Rouberto Nuzman, a “adevogada” Ladriana Ancelmo e até a ex-governadora Rosquinha Garotinho. Seu marido Bandidanthony Garotinho, depois de muito chorar, espernear e fazer birra, foi transferido para a FEBEM.

Nesse presídio muito também estão na tranca $ecretário$, a$$e$$ores e autoridade$ que transformaram o Rio de Janeiro em Rios de Dinheiro, desviando-os diretamente para seus bolsos, que rapidamente eram esvaziados para extravagâncias dinheirísticas dignas de marajás e membros da família real saudita como o Sheik Especial, que torrava sua grana sem limites.

Indignados com a presença desses bandidos de colarinho sujo, os marginais, homicidas, meliantes, batedores de carteira e ladrões de galinha que também estão presos em Benfica resolveram entregar um abaixo-assinado ao diretor daquela unidade penitencial porque não toleram conviver com gente desse nível lado a lado. Além do mais, os pobres apenados começam a Temer pela própria vida e consideram a ida dessa quadrilha para Benfica a maior carceragem!

Num flagrante claro de desaforo privilegiado, os guardas do presídio descobriram uma enorme Smart TV na cela de Sérgio Cobrou Filho, na qual o ex-governador passava o dia assistindo a fitas pornôs, que, na verdade, eram vídeos de segurança do seu gabinete, onde rolavam as sacanagens mais escabrosas. E, como se não fosse bastante, os políticos, em vez de comerem o pão que o diabo amassou (servido diariamente na cadeia), se regalam com iguarias caríssimas como caviar, foie gras e presunto de Parma, presunto que foi desovado ali por um miliciano amigo da galera.

Sem ter mais o que roubar, os quadrilheiros de Benfica passam o dia inteiro jogando xadrez, que é de onde se espera que eles não saiam tão cedo.

Agamenon Mendes Pedreira quer ser preso logo e ir para Benfica usufruir as mordomias do ex-governador Sérgio Cobrou.

 --------------
Agamenon Mendes Pedreira é um jornalista de caráter duvidoso, passado marrom e irresponsável pela coluna semanal neste blog. Com uma infância feliz, onde viva como trombadinha, seu talento para mentir o fez se apaixonar pelo jornalismo. Com passagens pelo cinema, jornal O Globo e Iguaba Grande, Agamenon Mendes Pedreira reside hoje em seu Dodge Dart 73, estacionado na rua da Amargura, de onde narra os fatos do país e do mundo, ao lado de sua patroa, Isaura, e de seus 17 leitores e meio (não se esqueçam do anão).



* * *

ESTÁ CHEGANDO A HORA! - Antonio Nunes de Souza

Está chegando a hora!


Conto nos dedos os dias que faltam para a comemoração do Natal! Pareço mais uma criança, que um experiente e vivedor de “natais” por quase uma centena de anos!

Mas, para pessoas sensíveis, solidárias, fraternais e com determinada dose de religiosidade, esse maravilhoso evento tem um significado bem maior que dar e receber presentes. Embora essa parte seja bonita, festiva, alegre e atraente, não existem músicas que mais toquem o nosso coração que as antigas sempre atuais, dedilhadas em harpas paraguaias, ou cantadas pelos nossos gabaritados cantores. E, se são executadas por corais, tornam-se verdadeiras doses de impacto emocional, fazendo as lágrimas chegarem aos nossos olhos!

Pode-se dizer que, por menos sensíveis que sejamos, jamais deixaremos de fazer um parêntese nessa ocasião e, cheio de felicidades e encantos miraculosos, entrar de “sola” na onda do papai Noel. Tudo é de um encantamento sublime, os enfeites nas cidades, com luminosidade ultra colorida, velhinhos artificiais nas portas das lojas, árvores de Natal nas praças, jardins, vitrines, sendo que, no shopping são as maiores e mais preciosas!

Certamente, alguém vai dizer que apelei para o saudosismo. Mas, é uma pura verdade, pois, desde criança que essa época me fascina, logicamente, me lembrar dela com docilidade e carinho, passou a ser mais que uma obrigação. Uma doce e meiga adoração e devoção!

Vamos todos explodir de bondades e solidariedades, lembrar, principalmente, que a comemoração é do aniversário de Jesus e, rememorando o que Ele nos ensinou, “amarmos uns aos outros como se fosse a nós mesmos”!

Está chegando a hora, então... Dê um bom lustro no seu sapatinho para colocar na janela, com o bilhetinho pedindo seu presente. E, se por acaso não for agraciado, simplesmente é porque não está ainda na hora que Papai Noel acha que você está merecendo!

Mas, espero que todos tenham uma NOITE FELIZ!

Antonio Nunes de Souza 
Escritor-Membro da Academia Grapiúna de Letras-AGRAL


* * *

DIÁRIO DE VIAGEM – Francisco Benício dos Santos (7)

BORDO DO PEDRO II
18º DIA

Montevidéu.
O Jaceguay lança âncoras.
Visitas e exigências alfandegárias..
Apresento meu passaporte diplomático.
Facilidades, gentilezas, aquilo foi como o “abre-te Césamo” do conto.
- Muitas gracias!...
És embaixador del Brasil?
- Não, senhor, apenas brasileiro viajando sob a sua proteção, em estudos...
- Biene... biene...
Sinto a diferença da minha língua, apesar de falar corretamente o castelhano, expresso-me em português; é o meu dever; entendam-se se quiserem, se puderem; eu os entenderei.
Salto.
Embaixada do Brasil.
Correspondentes de Castro C.
Facilidades, gentilezas, visitas às preciosidades e curiosidades uruguaias.
Almoço no hotel Plaza.
Visitas às escolas,  superiores com o secretário da Delegação. Sr. Albuquerque.
Montevidéu é a cidade dos monumentos.
Belas avenidas.
Belos jardins. O monumento a Artigas é importante.
À noite, espetáculo no tyeatro Solis
Retorno à bordo.
O Jaceguay zarpa às doze horas.
Despedidas. Agradecimentos.
Vieram trazer-me à bordo.
O estuário do Prata, “el mar Dulce”, é verdadeiramente um grande mar, o célebre rio da Prata.
Panoramas diferentes. Costas sem poesia.
O Jaceguay está com Buenos Aires à vista.
Ferros.
Visitas.
Novos vistos aduaneiros.
Dificuldades. Exigências.
Salto afinal e definitivamente.
Despeço-me do pessoal de bordo.
Beijo a Bandeira do Brasil, como se o fizesse à minha própria mãe.
Escrevo aos meus. O comissário o compromisso tomou de entregar a carta em mão própria em casa de meus pais.
Fiquei sensibilizado com a sua bondade.
Não fosse ele brasileiro.

(AQUARELAS E RECORDAÇÕES Capítulo XXII)
Francisco Benício dos Santos

* * *

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

DOM CESLAU STANULA REFLEXÕES - A Consciência

21/11/2017
A Consciência

Depois de refletirmos sobre a escatologia, vale a pena agora refletir sobre o grau da responsabilidade pelos nossos atos. Somos responsáveis pelos atos segundo a nossa consciência. Só somos responsáveis por aquilo que estamos fazendo conscientemente. Pelos atos involuntários e inconsciente não levamos responsabilidade moral.

Então o que é a consciência?
A palavra consciência vem do latim “cum” - juntos e “scire” - conhecer, que poderia se dizer: o conjunto de conhecimentos. O Pe. Bernardo Häring, o grande cientista, pesquisador e moralista, autor de muitos tratados de teologia moral define a consciência como “a faculdade moral da pessoa, (....) em que ela se conhece pelo confronto com Deus e com seus semelhantes”. (cf. Livres e Fiéis em Cristo, Vol. 1 p.208). Podemos dizer também que é a voz interior da pessoa que a ilumina para discernir o bem do mal.
A consciência, segundo o Catecismo da Igreja Católica, “é o núcleo sacratíssimo e o sacrário do homem, onde ele está sozinho com Deus e onde ressoa a sua voz” (Nº 1795). Omitimos outros aspectos e definições da consciência.

Em tudo o que o homem diz e faz é obrigado a seguir fielmente a voz da sua consciência. Para isto deve formar a consciência. Aguçar esta voz.
Com a benção e oração desejo uma linda noite.

Dom Ceslau.

--------------
22/11/2017
A Consciência II

O Catecismo Católico nos fala da consciência moral, e a define como “um julgamento da razão pelo qual a pessoa humana reconhece a qualidade moral de um ato concreto” (Nº 1796). A consciência moral compreende a percepção dos princípios da moralidade, sua aplicação a circunstâncias específicas por uma determinada prática da razão. Teologicamente, talvez possamos dizer que é o estado da alma, quando compara o que é,com o que deveria ser. Santo Tomás de Aquino ensinou que toda criança nasce com uma inata capacidade de distinguir o bem e o mal. Trata-se de uma “tendência natural”. (cf. Suma Teológica, Tomas de Aquino, 1, q79, a,12, resp.). Mas esta tendência natural pode ser aperfeiçoada ou desviada do rumo certo. Ai a necessidade de formação da consciência
Que Deus nos guie com a sua luz e voz interior.
Um boa noite. Com a minha humilde benção e oração.

Dom Ceslau

------------
23/11/2917
A Consciência III

"A consciência deve ser educada e o juízo moral, esclarecido. Uma consciência bem, formada é reta e verídica” ensina o Catecismo da Igreja Católica (Nº 1782 ss). 
A educação da consciência é a tarefa de toda a vida.  Uma educação prudente em casa, ensina a virtude, a gratuidade, a responsabilidade, a honestidade, o respeito pelas pessoas e seus bens. É a tarefa principal dos pais. Na formação da consciência, a Palavra de Deus é a luz do nosso caminho; importante que se viva a fé em casa, pratique a oração e se ponha em pratica estes valores. Nesta perspectiva para a formação da consciência a família é fundamental, mas a família bem instituída na lei natural e consagrada pela lei de Deus. Só a família tem o credito moral para formar. Nesta perspectiva também para a formação da consciência o papel importante tem a escola.
Consequentemente, na escola não deve haver ingerência política, principalmente partidária. Nada de ideologias contrarias a lei natural e divina. E mais, a catequese e o ensino religioso, seja nas escolas, ou Igrejas, com o pessoal para isto preparado, tem o papel indispensável. Anos atrás, um ateu me disse: “eu sou ateu, mas mando os filhos para a catequese, porque no fim das contas, alguém deve dizer ao meu filho que não se deve roubar". 
A educação da consciência garante a liberdade e gera a paz do coração.
Com a minha benção e oração.
Boa noite.

Dom Ceslau.

--------------
24/11/2017
A Consciência IV

Quando emitimos um julgamento baseado na nossa consciência moral devemos fazê-lo com prudência.  Existem algumas regras para nos orientar nesta área.  O Catecismo da Igreja Católica nos orienta: “a) Não é permitido nunca praticar um mal para que daí resulte um bem; (o mal menor não existe, se é algo mal, sempre será mal); b) Tudo aquilo que quereis que os outros vos façam, fazei-o vós a eles” (Mt.7,12). c)  
A caridade respeita sempre o próximo e sua consciência. “Pecando contra vossos irmãos e ferindo a sua consciência...pecais contra Cristo” (1Cor 8,12). Veja CIC 1789).

Lógico, a consciência moral, por causa de ignorância, pode fazer um julgamento errôneo. Neste caso se a pessoa é responsável pela ignorância (ignorância vencível), é responsável também pelo mal que comete. Se a pessoa não for culpada pela ignorância (ignorância invencível), então o mal cometido pela pessoa não lhe poderá ser atribuído.
E aqui terminamos as nossas meditações sobre a consciência.
Com a minha benção e oração. 
Dom Ceslau. 
Boa noite.

 Enviado do meu smartphone Samsung Galaxy.

 ----------

Dom Ceslau Stanula – Bispo Emérito da Diocese de Itabuna-BA, escritor, Membro da Academia Grapiúna de Letras-AGRAL

* * *

FRANCISCO: “NA METADE DO PRÓXIMO ANO (2018) O MUNDO ESTARÁ DE UMA FORMA IRRECONHECÍVEL”

24/11/2017

Francisco disse que o atual cenário caótico do mundo marca o começo do ‘final dos tempos’.

“Na metade do próximo ano (2018) o mundo estará de uma forma irreconhecível”, teria dito o Papa segundo o portal inglês The Mirror.

O Papa, que anteriormente havia anunciado o começo da Terceira Guerra Mundial, classificou o Natal desse ano como uma “charada”, durante uma missa na celebração da Semana Eucarística.
No discurso, Francisco citou os ataques terroristas que ocorreram pelo mundo durante os últimos anos e a possibilidade real de uma guerra nuclear.

“Estaremos fechados para o Natal deste ano. Haverão luzes, haverão festas, árvores brilhantes, e até cenários natalinos, tudo às mil maravilhas. Enquanto isso, o mundo continuará em guerra”, disse o Papa.

O Pontífice elaborou para o seu discurso a seguinte fala: “Enquanto o mundo passa fome, queima e se declina para um caos maior, nós devemos perceber que a celebração natalina durante esse ano, para aqueles que irão celebrar, pode ser a última”.

Francisco destacou que, a não ser que o caminho para a paz seja reconhecido, nós devemos chorar pelas vítimas inocentes que crescem a cada dia e pedir perdão para Deus: “Assim como Jesus e Deus choram, eu choro também”, acrescentou o Papa Francisco.
Um tanto quanto diferente dos outros Papas, seja pela evolução que o tempo proporciona ou por uma característica pessoal, Jorge Mario Bergoglio apresenta uma postura (até que positiva) fora do comum para o poderio romano.

Estaria o Papa sabendo de algo que não possa declarar publicamente?

Só o tempo dirá.



* * *

domingo, 26 de novembro de 2017

A MISSÃO - Jani King

A Missão


Saiba, Você nasceu neste tempo, neste lugar, para uma grandiosa missão. Esta missão é para trazê-lo à verdade de quem você é, a grandiosa verdade acerca da espécie humana. Você é semente das estrelas, você sabe. Sua espécie veio de civilizações muito além deste lugar, eons anterior ao tempo. Você veio de um lugar de grande conhecimento, e por eons você participou de um jogo chamado “Eu me esqueci de quem eu sou realmente”.

Então quem é você? Bem, a verdade é que você é poderoso, ser espiritual multidimensional, vindo existência após existência, participar de um jogo espiritual chamado “a vida humana agora”. E você está vindo para uma grandiosa mudança: O fim de um ciclo muito extenso que tem 52.000 de seus anos, e o término, também, de um ciclo particular de 25.000 anos com os quais você está muito envolvido nesta consciência, e o início de um novo ciclo. O novo ciclo é a aceleração da freqüência vibracional que compreende o seu ser molecular, emocional e espiritual. Isto afetará não somente os humanos, mas também a própria Terra. Você e ela co-existem; vocês são interdependentes e parte de uma grandiosa consciência.

De fato, a verdade é que nada está separado. Você não está separado da Terra. Você não está separado de qualquer coisa, nem mesmo do que você considera ser artificial. Então você é, na verdade, poderoso ser espiritual, mesmo que você não sinta isto, você veio para fazer uma grande descoberta conhecer cada célula e cada fibra do seu ser, a verdade grandiosa. Você poderia chamar de mudança,  iluminação ou superconsciência. Tudo isto significa que você estará vibrando a um índice mais rápido. Também significa que você conhecerá a sua própria verdade.

Naturalmente, seria motivo de muita felicidade se você lançasse a palavra “iluminação” ou “superconsciência” pela janela. Iluminação é simplesmente o resultado natural de amar absolutamente cada faceta sua. Tudo o que você se esforça muito para ser mais “espiritual”, para estar mais no caminho da iluminação, tudo isto pressupõe-se que você já não é totalidade.

Mas, entenda, a verdade é que você é o todo. Você é o que você esforça-se para se tornar. Está dentro de você. É parte da estrutura do seu ser, porque a mais grandiosa verdade é que você é, em cada momento do Agora, uma expressão perfeita, eterna da Fonte. Esta é a sua verdade. Você pode dizer: "Se esta é a verdade, como não me sinto desta forma?” “Como eu não sou um manifestante magnífico?” “Por que é que há um padrão recorrente de sabotagem, de mágoa, de carência em minha vida?” “Como é que eu não sinto esta verdade?”

Bem, você se programou para acreditar  que você não era adequado. Você se programou para existir na carência. Você se programou para não conhecer o amor e certamente não amar quem você é. As verdades básicas acerca da sua realidade é que você cria a sua própria realidade, absolutamente. Não há exceções. Não há tal coisa como coincidência. Não há tais coisas como acidentais. A algum nível, você cria isto tudo. Até que você absorva este conhecimento, você fica preso, sendo uma das vítimas da vida.

Assim como você se imagina uma vítima  do destino, do carma, da circunstância, do caos ao acaso, você é ineficiente. A partir do momento que você se levanta e diz: "Eu sou responsável!“Eu posso criar o que quiser com minha mente!” você pode transcender para um lugar de poder e de absoluta realização. Então, isto lhe deu algo sobre o que pensar, hein?

Jani King
============
"Gotas de Crystal" <gotasdecrystal@gmail.com>

* * *

O BEM CONTRA O MAL - Geraldo Carneiro

O bem contra o mal


Talvez você ande horrorizada (o) com os últimos acontecimentos políticos do Brasil. Talvez esteja achando que nasceu no país errado, ou até pensando em se mudar para Portugal ou para a Cochinchina. No entanto, como este almanaque dominical pretende trazer alegria ao coração das leitoras e dos leitores, afirmo que os males que nos afligem poderiam ser piores. Duvida? Pois vou lhe contar uma pequena fábula.

Certa vez, estava eu na casa de meu amigo João Ubaldo Ribeiro e, numa pausa entre nossos afazeres profissionais, decidimos, por distração, escalar a Seleção do Mal.

No gol, escalamos Torquemada, o Grande Inquisidor espanhol, terror de judeus e muçulmanos. Dizem que, na dúvida, torturava e queimava também cristãos, na certeza de que Deus, lá em cima, havia de fazer a triagem. Felizmente, não me lembro quem era o lateral direito, mas sei que, para a lateral esquerda, Ubaldo sugeriu Mao Tsé Tung. Discordei: “Mas o Mao é nosso!” O João, peremptório, argumentou: “Dezenas de milhões de mortos.” E restabeleceu-se a concórdia: Mao tornou-se titular absoluto.

No meio de campo, só escalamos volantes botinudos: Bokassa, Pol Pot e Idi Amin Dada, todos genocidas. E, para completar o time, armamos o ataque com Josef Stálin na esquerda, Calígula no meio, e Adolf Hitler na ponta-direita. Só faltava o número 10, o gênio, o Zinedine Zidane, que fosse o cérebro do time. Não me lembro qual de nós dois sugeriu o nome terrível: o Marquês de Sade.

Quando acabamos de escalar a Seleção do Mal, trememos nas bases, assombrados com o poder de fogo dessa reunião de criaturas malévolas. Nossa sorte foi a chegada da dona da casa, Berenice Batella Ribeiro, musa e patroa do João Ubaldo. Ao nos ver com a aparência lamentável que ostentávamos, ela nos perguntou: “Que cara é essa, meninos?” Explicamos que havíamos acabado de escalar a Seleção do Mal.

E ela, com a sabedoria que lhe é peculiar, recomendou: “Pois escalem a Seleção do Bem.”

Esperançosos, escalamos Jesus Cristo no gol, de braços abertos. São Francisco de Assis na lateral direita, Buda na lateral esquerda, tirando proveito de seu porte físico para barrar os atacantes do Mal.

Não me lembro qual era o meio de campo, mas tinha craques como José de Anchieta, volante moderno, capaz de catequizar, apoiar o ataque e ainda marcar gol. Se não me falha a memória, o time tinha Gandhi, Zoroastro e Tomás de Aquino. Só faltava o gênio, o camisa 10. Quando nos ocorreu o nome de William Shakespeare, ficamos aliviados. Aleluia.

Moral da fábula: apesar das vicissitudes do presente, podemos nos consolar com a ideia de que nossos vilões, graças aos céus, são de terceira categoria. Não servem nem para a reserva da Seleção do Mal. Em breve ficaremos livres deles. Ou será que me engano?

O Globo, 19/11/2017
 ------

Geraldo Carneiro - Sexto ocupante da Cadeira 24 da ABL, eleito em 27 de outubro de 2016, na sucessão de Sábato Magaldi e recebido em 31 de março de 2017 pelo Acadêmico Antonio Carlos Secchin.

* * *

PALAVRA DA SALVAÇÃO (54)

34º Domingo - Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo 

Assentar-se-á em seu trono glorioso
e separará uns dos outros.


+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 25,31-46

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
Quando o Filho do Homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, então se assentará em seu trono glorioso.
Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos.
E colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda.
Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: `Vinde benditos de meu Pai! Recebei como herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!
Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber; eu era estrangeiro e me recebestes em casa; eu estava nu e me vestistes; eu estava doente e cuidastes de mim; eu estava na prisão e fostes me visitar'.
Então os justos lhe perguntarão:
`Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer? Com sede e te demos de beber?
Quando foi que te vimos como estrangeiro e te recebemos em casa, e sem roupa e te vestimos?
Quando foi que te vimos doente ou preso, e fomos te visitar?'
Então o Rei lhes responderá:
`Em verdade eu vos digo, que todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos,
foi a mim que o fizestes!'
Depois o Rei dirá aos que estiverem à sua esquerda: `Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e para os seus anjos.
Pois eu estava com fome e não me destes de comer; eu estava com sede e não me destes de beber;
eu era estrangeiro e não me recebestes em casa; eu estava nu e não me vestistes;
eu estava doente e na prisão e não fostes me visitar'.
E responderão também eles:
`Senhor, quando foi que te vimos com fome, ou com sede, como estrangeiro, ou nu, doente ou preso,
e não te servimos?'
Então o Rei lhes responderá:
`Em verdade eu vos digo, todas as vezes que não fizestes isso
a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes!'
Portanto, estes irão para o castigo eterno, enquanto os justos irão para a vida eterna'.

Palavra da Salvação.
- Glória a vós, Senhor.

---
Ligue o vídeo abaixo e acompanhe a reflexão do Pe. Roger Araújo:
---
Realeza que se revela no serviço
“...todas as vezes que fizestes isso a um dos menores de meus irmãos, foi a mim que o fizestes”


Rei, título inapropriado para Aquele que tocou leprosos, que preferiu a companhia dos excluídos e não dos poderosos do povo, que lavou os pés dos seus discípulos, que não tinha riqueza nem poder... O senhorio de Jesus foi a do amor incondicional, do compromisso com os mais pobres e sofredores, da liberdade e da justiça, da solidariedade e da misericórdia... Com sua palavra e sua vida Ele afirmou que “não veio para ser servido, mas para servir”. Por isso, assumiu uma posição crítica frente a todo poder desumanizador.

A festa de “Cristo Rei”, que encerra o Ano Litúrgico, pode ser ocasião propícia para “transgredir” nossa concepção de “rei” e “reinado”, e evitar um triunfalismo religioso, pura imitação dos reis deste mundo que vivem às custas da exploração dos seus súditos.

Jesus nunca se proclamou rei; o que Ele fez foi colocar-se a serviço total do Reino, de forma que este foi o centro mesmo de sua pregação e de sua vida, a Causa pela qual estava apaixonado e pela qual deu sua vida. Importa, pois, honrar a verdadeira identidade de Jesus: Ele não foi rei, nem quis ser nunca, por mais que alguns cristãos creem que chamando-o assim prestam-lhe as devidas honras. A melhor honra que devemos prestar a Jesus é prolongar seu modo de ser e de viver. É preciso voltar a Jesus e sua Causa.

Se Jesus não foi rei historicamente, nem se chamou rei, nem deixou que lhe chamasse assim, recusou e se retirou quando queriam fazê-lo rei, tem sentido que nós o aclamemos com esse título? Por quê?

Jesus é Rei porque deixa transparecer sua “realeza”: o que é mais real, mais humano e divino, a sua verdade, seu ser verdadeiro... no mais profundo de si mesmo. Realeza que se visibilizava no encontro com o outro. A partir de seu ser verdadeiro, Jesus destravava e ativava a realeza escondida em cada um.

Este é o sentido profundo do título: ser Rei sem tomar o poder, sem exercê-lo com a força das armas, sem a pressão da justiça legal, sem prestígio, sem riqueza... Esta é a tarefa da nova humanidade, a promessa de um Reino do conhecimento verdadeiro, da igualdade e da justiça, da fraternidade e não violência..., para que todos sejam reis, no sentido radical da palavra.

Segundo o relato de Mateus, quando chegar o momento supremo, a hora da verdade definitiva, a única coisa que ficará de pé, o que somente será levado em conta como critério de salvação ou perdição, não vai ser nem a piedade, nem a religiosidade, nem as práticas espirituais, nem a fé, nem mesmo o que cada pessoa tiver feito ou deixado de fazer para com Deus; o que vai ser considerado é apenas uma coisa, a saber: o que cada um tiver feito ou deixado de fazer para com os seres humanos.

A fundamentação está no fato de que Jesus se identifica com cada ser humano, de maneira especial com aquele que mais sofre, vítima da violência, da exclusão, da pobreza, da humilhação... Essa identificação e essa fusão de Jesus com os humanos (“foi a mim que o fizestes”) é tão forte e tão decisiva que, no momento do encontro definitivo com Ele, o critério para entrar no Reino não é o que cada pessoa fez ou deixou de fazer “para” Deus, mas o que ela fez ou deixou de fazer “para” os seus semelhantes que cruzaram o seu caminho e que clamaram por uma presença solidária e compassiva.

Na parábola do “juízo final” não é casual que os casos ali mencionados são as situações mais baixas, mais humilhantes e as que mais detestamos, de acordo com o que neste mundo se considera necessário para ser uma pessoa de sucesso e que goza de uma vida cômoda e digna: a comida, o vestuário, a saúde, a liberdade e a legalidade de quem não é um estrangeiro ou um imigrante “sem documentos”. Essa lista de situações extremas refere-se à realidade de sofrimento e exclusão. E Jesus assume como sua a dor de cada ser humano, pois, mediante sua Encarnação, Ele se identificou e se fundiu com o mais basicamente humano, com aquilo que é comum a todos os seres humanos, sem nenhuma distinção.

Toda parábola desperta ressonância e causa impacto no nosso ser profundo; não é um relato periférico e neutro; escutar ou ler uma parábola é sentir-se implicado nela ou, em outras palavras, toda parábola deixa transparecer nossa real identidade; por isso, a parábola do “juízo final” pode também ser lida em “chave de interioridade”: o que em mim está excluído, faminto, desamparado, exilado, preso... e que precisa ser integrado e iluminado?

Mas a luz da parábola desvela nosso eu interior e deixa transparecer também nossos pontos nutrientes, iluminantes... que serão fonte de salvação para as dimensões do nosso ser profundo que ainda permanecem na sombra da não aceitação.

Por outro lado, precisamos deixar ressoar em nosso “eu profundo” as palavras duras do Rei Eterno: “Afastai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”. Centrados em nós mesmos e separados dos outros, vamos alimentando uma espécie de ego (força diabólica: força que divide).  Todo “ego” é possessivo e manifesta-se como um desejo insaciável de acumular, possuir, não compartilhar... O ego exacerbado quer controlar o seu mundo: pessoas, acontecimentos e natureza. Ele compara-se com os outros e compete pelos elogios e pelos privilégios, pelo amor, pelo poder e pela riqueza. É isso que nos torna invejosos, ciumentos e ressentidos em relação aos outros. Também é isso que nos torna hipócritas, dominados pela duplicidade e pela desonestidade.

Esse ego centrado em si próprio não confia em ninguém a não ser em si mesmo; ele não ama ninguém e quando “ama” é para atender apenas às suas próprias necessidades e à sua própria gratificação. Sofrendo de uma falta total de compaixão ou empatia, ele pode ser extraordinariamente cruel para com os outros, vivendo uma situação infernal.

Como evitar que o nosso ego nos domine e determine nossa vida?

O primeiro passo será desvelar e desmascará-lo com todas as suas maquinações e duplicidades. Só uma pessoa esvaziada de seu ego pode transformar-se e transformar a realidade. O nosso verdadeiro eu está enterrado por baixo do nosso ego ou falso eu. Segundo a parábola deste domingo, a pessoa “torna-se bendita de meu Pai” na entrega e no descentramento. Porque só assim deixa transparecer a realeza original, aquela que se identifica com a realeza d’Aquele que viveu para servir.

Só nos fazemos conscientes de nossa realeza quando compreendemos nossa verdade mais profunda. Até que isso não ocorra, viveremos como mendigos, tratando de apropriar-nos e de identificar-nos com tudo aquilo que possa conferir uma certa sensação de identidade e de segurança. No entanto, ao compreender o que somos, tudo se ilumina: o suposto “mendigo” se descobre “rei”. Só na medida em que nos esvaziamos de nossos impulsos egóicos, fazemo-nos solidários com a fragilidade e, o que é mais profundo, nos fundimos com a fragilidade dos outros.

A salvação da humanidade está, pois, em ajudar aos excluídos do mundo a viver uma vida mais humana e digna. A perdição, pelo contrário, está na indiferença diante do sofrimento. Este é o grito de Jesus a toda a humanidade.

Texto bíblico:  Mt. 25,31-46

Na oração: O Reino de Deus foi o centro da pregação de Jesus, o motivo de seus milagres, a razão de ser de sua fidelidade até a morte, a coroa de sua ressurreição. Quê é para mim o Reino de Deus? Está também no centro de minha vida? É “minha Causa” como foi a de Jesus?

Pe. Adroaldo Palaoro sj

* * *

sábado, 25 de novembro de 2017

ABL: ACADÊMICA ROSISKA DARCY DE OLIVEIRA COORDENA O SEMINÁRIO ‘BRASIL, BRASIS’ INTITULADO ‘CRISE E METAMORFOSE DA DEMOCRACIA’

Clique sobre a foto para vê-la no tamanho original
A Academia Brasileira de Letras dá continuidade à sua série de Seminários “Brasil, brasis” de 2017 com o tema Crise e metamorfose da democracia, sob coordenação da Acadêmica e escritora Rosiska Darcy de Oliveira (sexta ocupante da cadeira 10, eleita em 11 de abril de 2013) e as participações do professor Eduardo Giannetti e do jurista Carlos Ayres Britto, ex-Presidente do STF. O coordenador-geral dos Seminários “Brasil, brasis” de 2017 é o Presidente da ABL, Acadêmico e professor Domício Proença Filho.

O seminário está programado para o dia 30 de novembro, quinta-feira, às 17h30min, no Teatro R. Magalhães Jr., Avenida Presidente Wilson 203, Castelo, Rio de Janeiro.

Saiba mais

OS CONVIDADOS

Carlos Ayres Britto é formado pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Sergipe, fez curso de pós-graduação (especialização) em Direito Público e Privado nessa mesma faculdade, Mestrado em Direito do Estado e Doutorado em Direito Constitucional, ambos pela PUC-SP.

Em Sergipe, exerceu os cargos de Procurador do Tribunal de Contas, Consultor-Geral do Estado e Procurador-Geral de Justiça, além de professor de direito administrativo e constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Sergipe e advogado militante. Integrou o Conselho Federal da OAB, sendo membro da Comissão de Constituição e Justiça do órgão por dois períodos.

Nomeado Ministro do Supremo Tribunal Federal no ano de 2003 e Presidente dessa Corte e do Conselho Nacional de Justiça no período de 19 de abril a 16 de novembro de 2012, Ayres Britto foi, ainda, Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, de 6 de maio de 2008 a 22 de abril de 2010, e escolhido como um dos cem brasileiros mais influentes pela revista Época, nos anos de 2008, 2010 e 2012.

No STF, foi relator de importantes ações, tais como a aquela que reconheceu o direito de igualdade entre pares homossexuais e casais heterossexuais, liberação das células-tronco embrionárias para fins de pesquisa científica em terapia humana, proibição do nepotismo em todas as esferas do poder público, questão indígena “Raposa Serra do Sol”, que reconheceu o direito dos índios ao formato demarcatório contínuo de suas terras, constitucionalidade da lei da Ficha Limpa, das Cotas Raciais e Sociais, liberação da “Marcha da Maconha”, Liberdade de Imprensa e o humor na televisão.

Publicou as seguintes obras jurídicas: Jurisprudência Administrativa e Judicial em Matéria de Servidor; Interpretação e Aplicabilidade das Normas Constitucionais, em parceria com Celso Ribeiro Bastos; O Perfil Constitucional da Licitação, Teoria da Constituição; e O Humanismo como Categoria Constitucional, além de seis livros de poemas.

Atualmente, é Presidente do Conselho Superior do Instituto Innovare, Membro Consultivo do Instituto Palavra Aberta, colunista do jornal O Estado de S. Paulo, professor dos cursos de mestrado e doutorado do UniCeub – Centro Universitário de Brasília, Presidente do Centro Brasileiro de Estudos Constitucionais – CBEC, Presidente da Comissão de Defesa da Liberdade de Expressão da OAB – Federal, conferencista, consultor jurídico e advogado.

Eduardo Giannetti é graduado em Economia e em Ciências Sociais pela USP e PhD em Economia pela Universidade de Cambridge, Inglaterra. Lecionou naquela Universidade (1984-87), onde permanece como professor convidado. Foi professor na FEA/USP (1988-2000), tendo sido eleito pelos alunos, melhor professor da Faculdade de Economia.

Tomando como ponto de partida a filosofia econômica, Giannetti vem fazendo contribuições importantes ao pensamento econômico brasileiro. Seus livros repercutem muito além dos círculos acadêmicos ou simplesmente econômicos. Ganhador de dois Prêmios Jabuti: em 1994, com o livro Vícios privados, benefícios públicos? (1993) e As partes & o todo (Siciliano, 1995).

O livro O Autoengano (1998), também premiado, consagrou Giannetti não apenas como um economista destacado, mas também um importante pensador.  Além desses, publicou Beliefs in action (Cambridge University Press, 1991); Felicidade (2002), O mercado das Crenças (2003), O Valor do Amanhã (2005), O Livro das Citações – Um breviário de ideias replicantes (2008) e, recentemente, o Trópicos Utópicos (2016), além de diversos outros e artigos nacionais e internacionais.

Em suas exposições, aborda, além do macrocenário econômico, temas como ética e as consequências sociais das transformações econômicas.

23/11/2017

http://www.academia.org.br/noticias/academica-rosiska-darcy-de-oliveira-coordena-na-abl-o-seminario-brasil-brasis-intitulado

* * *