Total de visualizações de página

domingo, 15 de setembro de 2019

NÃO SABEMOS O DIA NEM A HORA - Padre David Francisquini


14 de setembro de 2019
Padre David Francisquini * 

A vigilância como virtude necessária para a conquista do Reino do Céu está contida na lição do Divino Mestre sobre o chefe de família que não sabe a hora em que virá o ladrão. O fiel cristão deve, pois, estar sempre vigilante em relação aos inimigos que o cercam, pois nunca sabe quem o espreita, nem quando será atacado.

E o inimigo está com frequência nos lugares menos imagináveis. Com efeito, infelizmente, como se tornou comum vê-lo — muitas vezes com naturalidade e indiferença — nos verdadeiros absurdos que acontecem nos templos sagrados, nas celebrações litúrgicas, onde Nosso Senhor é tratado indevidamente na recepção da Eucaristia.

Além da ofensa a Ele, esse estado de espírito displicente acaba por abalar a fé e a devoção na presença real de Jesus Cristo Eucarístico. Temos ainda a brutalidade e o ódio contra o sublime Sacramento instituído por Jesus Cristo, verdadeiras profanações dos lugares santos.

— Não constituiriam um desdobramento sinistro do que neles ocorre no dia a dia? Para avaliarmos a sua gravidade, recorramos rapidamente à explicação dada por Orígenes, um dos grandes teólogos do início do cristianismo, às palavras do Evangelho.

Ele nos ensina que o pai de família representa o entendimento do homem; sua casa, a sua própria alma; e o ladrão, o demônio. Esse inimigo se utiliza de discursos lisonjeiros, eivados de falsidades, mentiras e traições para iludir os corações, perverter-lhes o entendimento, saquear suas energias e abalar suas convicções.

O ladrão vem e mina a casa, pois o pai de família dorme sem o cuidado de guardá-la. Em seguida, mata-o sem resistência, pois o surpreendeu dormindo, em vez de vigilante, que deveria ser a sua atitude habitual. O estado generalizado de indolência e torpor das almas torna o terreno propício a todo tipo de profanação.

Circulam pela internet pequenas filmagens com exemplos do que vem ocorrendo em muitas igrejas, ou seja, de pessoas que entram na fila de comunhão, recebem a hóstia na mão e não a consome… Lembro-me a propósito de uma notícia proveniente da histórica cidade de Trento, no norte da Itália, em que um comungante ao receber do celebrante a hóstia na mão, partiu-a e deu metade para seu cachorro que o acompanhava na igreja! Em outra ocasião, um gato subiu ao altar, na hora da comunhão, e passou a comer as partículas consagradas.

Notícias assim nos deixam estupefatos! Não há por trás de tudo isso uma rota do crime do sacrilégio e da profanação investindo contra o que há de mais sagrado em nossas igrejas, que é o Santíssimo Sacramento? Sacrários são destruídos ou jogados nas ruas com as hóstias; estas são também roubadas, incendiadas, lançadas ao chão ou em rios; vestes e objetos litúrgicos profanados; altares quebrados, imagens destruídas…

Quem estaria por trás dessas manifestações furiosas de ódio contra Aquele que está verdadeiramente presente na Sagrada Eucaristia sob as espécies de pão e vinho? Sem dúvida, satanás, por meio de seus sequazes, pois a fúria é verdadeiramente satânica.

O mesmo ódio que levou Jesus Cristo a ser condenado e conduzido ao alto do Calvário se repete em nossos dias com as profanações dos sacrários de nossas igrejas. O sacrilégio constitui uma cacofonia sinistra que reverbera nas profundezas infernais, pois tanto ódio só pode provir do demônio, o eterno derrotado.

            Pretendo voltar ao assunto.
_____________
(*) Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).


 * * *

PALAVRA DA SALVAÇÃO (148)


24º Domingo do Tempo Comum – 15/09/2019

Anúncio do Evangelho  (Lc 15,1-32) 

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo,os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus. “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. Então Jesus contou-lhes esta parábola: “Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto, e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria, e, chegando em casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’
Eu vos digo: Assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão. E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente, até encontrá-la? Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a moeda que tinha perdido!’.
Por isso, eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”. E Jesus continuou.
“Um homem tinha dois filhos. O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. O rapaz queira matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra Deus e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o, e cobriu-o de beijos. O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa. O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.
Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.
Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado”’.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

---
Ligue o vídeo abaixo e acompanhe a reflexão do Padre Roger Araújo:
  
---
O que está perdido em meu interior?
“Encontrei a minha ovelha que estava perdida”;
“encontrei a moeda que tinha perdido”;
“este teu irmão estava perdido, e foi encontrado”

As três parábolas deste domingo (24º Dom TC), relatadas por Lucas, condensam toda a história de nossa salvação. Elas contêm a quinta-essência do Evangelho do Reino do Pai, proclamado por Jesus, ou seja, a história do amor de Deus para com a humanidade. Justamente por serem o Evangelho condensado, as parábolas contadas por Jesus devem ser incessantemente escutadas e contempladas por todos nós. E, depois de contempladas e experimentadas, devemos contá-las, proclamá-las e testemunhá-las, sempre de novo, a todos os homens e mulheres que Deus ama.

Elas são as parábolas da nossa vida, da nossa história, de cada um dos nossos caminhos. Elas são as parábolas da nossa origem e do nosso destino. As três parábolas da misericórdia são, na verdade, as “parábolas dos perdidos”. O que Jesus quis proclamar, ao contá-las, foi revelar a nova imagem do Deus Pai/Mãe que, movido pelo seu amor, misericórdia, perdão, sai ao encontro dos que estão “perdidos”. As três parábolas expressam, com uma força insuperável, dois temas particularmente caros a Lucas e vinculados entre si: o tema da misericórdia e do perdão oferecidos por Deus aos pecadores, a todos os “perdidos”, e o tema da alegria do mesmo Deus quando os perdidos são encontrados.

A trama das três parábolas é a expressão de que vivemos permanentemente banhados pela misericórdia reconstrutora de Deus, e que se expressa no perdão contínuo. Jesus, nestas parábolas, nos revela que Deus vai aonde nunca antes ninguém se atrevera ir, acompanhando-nos com sua presença, aproximando-se de nós e nos convidando à festa do seu perdão, com uma misericórdia sem fim.

As três parábolas também revelam o caráter de defesa, feito pelo próprio Jesus, do seu modo de vida, do seu comportamento, particularmente do seu relacionamento com os extraviados e excluídos. O Evangelho que Jesus proclama com palavras e ações é a Boa Nova da salvação para os perdidos; e é, ao mesmo tempo, apelo à conversão dirigido aos que se consideravam “justos”, mas se fechavam ao amor e ao perdão. 

O que escandalizava os destinatários das três parábolas, que se consideravam justos e cumpridores exemplares da lei de Deus, não era propriamente a conduta dos pecadores, mas a conduta do próprio Jesus com relação a eles: permitia que os pecadores se aproximassem dele, recebia-os de coração aberto, tomava a iniciativa de ir ao encontro deles e sentava-se com eles à mesma mesa.

O comportamento de Jesus é uma “parábola viva” do comportamento de Deus com os pecadores. Os escribas e fariseus não podiam suportar que Jesus proclamasse o Deus que acolhe e perdoa incondicionalmente a todos, que tem um carinho especial e um amor de predileção pelos perdidos; um Deus que sai ao encontro dos perdidos e que transborda de alegria quando os encontra. Esse Deus “novo” anunciado por Jesus era um Deus “desconcertante”, “escandaloso”, totalmente incompatível com o “deus legalista” dos escribas e fariseus. Por isso, a pregação e o comportamento de Jesus eram intoleráveis para eles.

As três parábolas nos revelam os sentimentos e as ações do “Abba de Jesus” com relação aos filhos perdidos. Revelam-nos um Deus cheio de ternura e de misericórdia que vai ao encontro dos perdidos, libertando-os da exclusão e do isolamento; um Deus que exulta de alegria quando os reencontra e que convida a todos para a festa da comunhão e da alegria pelo seu retorno.

As três parábolas de Lucas nos permitem também fazer uma leitura em “chave de interioridade”, ou seja, “o quê está perdido, rejeitado, escondido... dentro de mim”?  Os entendidos em restauração de obras de arte sabem que não se trata de voltar a pintar de novo a obra em questão. Nem sequer refazê-la, com outras cores, o que parece que está perdido. Um bom restaurador procura limpar com delicadeza e paciência cada detalhe do quadro, com a única pretensão de trazer de novo à luz o mais original da obra. Isto é o que Deus faz conosco, através de sua misericórdia. Limpa-nos com delicadeza em cada esquina e dobra de nosso coração. A misericórdia de Deus atua para que venha à luz o mais original que há em nós. Somos filhos(as) de um Deus que é todo bondade e amor. Somos obras de arte restauradas pelo amor ativo de Deus. Viver a experiência da misericórdia é deixar-nos reconstruir por um amor que nos oferece a possibilidade de sentirmos novamente como filho e filhas de Deus.

 Precisamos, como Deus, tomar iniciativa, aprender a nos aproximar daquilo que está perdido e desgarrado em nós, sem julgamentos e sem moralismos. Aproximar-nos, acolher, abraçar, colocar nos ombros, tudo o que foi rejeitado e excluído, para pacificar nossa interioridade.  Tudo aquilo que consideramos “perdido” (fragilidades, feridas, traumas, fracassos, crises...) tem algo a nos revelar. Nada pode ser rejeitado, tudo deve ser acolhido pois tudo compõe a nossa história de vida. Precisamos fazer as pazes com o que foi reprimido e afastado e que continua gerando um mal-estar interior. 

O diálogo com as ovelhas desgarradas, as moedas perdidas e o filho pródigo, significa dirigir a atenção para as áreas reprimidas de nossa condição humana e que foram excluídas porque centramos forças em alimentar nossas imagens aureoladas e ideais exagerados, dominados pelo desejo de sermos perfeitos e infalíveis (fariseus e mestres da lei). Acolher e integrar tudo o que é humano (também o que está afastado dentro de nós) é a condição para a verdadeira experiência de Deus. 

O encontro com o que está perdido em nosso interior é oportunidade para nos lançarmos por inteiros nos braços misericordiosos de Deus. Pois Ele vem ao nosso encontro em nossas carências e fraquezas; Ele nos procura através de nossos fracassos, de nossas feridas, de nossas limitações... Deus serve-se do que está perdido em nós para abraçar-nos carinhosamente. Portanto, o caminho para a integração e alegria interior passa pelo encontro e acolhida de tudo aquilo que foi rejeitado, reprimido e excluído dentro de nós, consumindo muita energia.

A espiritualidade das parábolas de Lucas nos mostra que é exatamente em nossas feridas onde Deus encontra mais facilidade para entrar em nossas vidas e reconstruir nossa identidade verdadeira: filhos e filhas amados(as) com um “amor em excesso”.

“Lá onde nós fomos feridos, onde nos quebramos, aí nós também nos abrimos para Deus” (H. Nouwen) 

Poderíamos nos interrogar: o que é que Deus deseja nos revelar por meio daquilo que está “perdido” em nós? Procurar e buscar o que está “perdido” em nossa casa interior significa “buscar e encontrar a Deus” exatamente em nossas paixões, em nossos traumas, em nossas feridas, em nossos instintos, em nossa impotência e fragilidade... 

Viver uma nova espiritualidade significa, então, não buscar “ideais de perfeição”, mas dialogar com a “vida perdida” e que deseja retornar ao lar, espaço do amor misericordioso. A partir da experiência da misericórdia podemos reunir em nosso redil, em nossa casa, tudo o que se afastou e se perdeu. Daqui poderá brotar nova possibilidade de vida, mais leve e mais humana. 

Texto bíblico:  Lc 15 

Na oração: Qual é a ovelha desgarrada do seu interior que é preciso ir atrás dela, acolhê-la e integrá-la ao redil? Qual é a moeda que ali se perdeu?
- apresente a Deus suas ovelhas e moedas perdidas, para que, na luz da sua misericórdia, tudo adquira novo brilho e nova vida.

Pe. Adroaldo Palaoro sj


* * *

sábado, 14 de setembro de 2019

BENDITOS SEJAM...


Benditos sejam os que chegam em nossa vida em silêncio,
com passos leves para não acordar nossas dores, não despertar nossos fantasmas, não ressuscitar nossos medos.

Benditos sejam os que se dirigem a nós com leveza, com gentileza, falando o idioma da paz para não assustar nossa alma.

Benditos sejam os que tocam nosso coração com carinho, nos olham com respeito e nos aceitam inteiros com todos os erros e imperfeições.

Benditos sejam os que podendo ser qualquer coisa em nossa vida, escolhem ser doação.

Benditos sejam esses seres iluminados que nos chegam como anjo, como flor ou passarinho, que dão asas aos nossos sonhos e tendo a liberdade de ir escolhem ficar e ser ninho. 

A maioria das vezes chamamos essas pessoas de "AMIGOS"!


(Recebi via WhatsApp, sem menção de autoria)

* * *

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

DIBS É O EXEMPLO - Antonio Baracho



            O desenvolvimento da criança é, sem dúvida, uma das maiores preocupações dos psicólogos no seu afã diário com esta ciência complexa, que nos desafia a cada passo. Para compreender os segredos, é inevitável tanto para os leigos e também psicólogos, a leitura do livro DIBS: Em Busca de Si Mesmo, de autoria da psicóloga Virgínia M. Axline, através da tradução modelar da Professora Célia Soares Linhares, que, apaixonada pelo conteúdo do livro encantador, transportou-o para o nosso vernáculo a fim de que todos, de maneira indistinta, tivéssemos conhecimento da vida de Dibs, - uma criança excêntrica que não se conhecia a si mesma, sendo, ainda extremamente indócil na convivência com os seus semelhantes. Conseguiu, então, graças ao tratamento que a moderna Psicologia oferece, safar-se da escuridão para a vida plena de luz, e tornar-se um homem sedutor e líder estudantil. Quem operou tal milagre foi a autora, Virgínia M. Axline, que pontifica na Universidade Estadual de Ohio e em Columbus exerce a sua clínica particular, servindo a todos que a procuram, especialmente as crianças, que a atraem de maneira particular, pois, no decurso de seus estudos e trabalho, descobriu na ludoterapia o método plausível de debelar os complexos infantis.

            Li o livro com a maior atenção, pois o assunto empolgou extremamente o meu espírito de psicólogo.

            E, como bem expôs o escritor Leonard Carmichael, "um dos grandes problemas de nossa época tecnológica caracterizada por grandes aglomerados populacionais, é a compreensão autêntica das técnicas que possibilitam mudanças duráveis na personalidade e no comportamento”. Dibs: em busca de si mesmo, como estudo da organização mental e da modificação de atitudes, é importante neste contexto. Está certíssimo o prefaciador do notável livro cuja leitura termino agora, embevecido e orgulhoso pelos sucessos que a
Psicologia alcança.

            O profissional desta área alcançará o seu objetivo por mais obscuro que seja, se ao seu trabalho dedicar-se de corpo e alma, porque nada, neste mundo, está perdido... Dibs é o exemplo.


ANTONIO BARACHO – Poeta, psicólogo.
Membro da Academia Grapiúna de Letras- AGRAL, ocupante da cadeira nº 11.
Tel. (73) 99102-7937 / 98801-1224


* * *

A VINGANÇA! - Antonio Nunes de Souza


Muito acima do peso, dentes proeminentes e usando óculos fundo de garrafa, ou seja, gorda, dentuça e quatro olhos, sinceramente, torna-se um prato cheio no colégio para seus colegas gozarem a vontade, colocarem apelidos maldosos e tratarem a pessoa com desprezo constante. E, naquele tempo, não existia esse nome americano bonito (bullying) para caracterizar o comportamento. Era uma montanha de apelidos sacanas e depreciativos, sem o mínimo respeito humano pela aquela menina de dezesseis anos apenas, e outros independentes das suas idades.

Na verdade, não existiam combates punitivos com relação a esse comportamento, já que qualquer um que tivesse um diferencial qualquer (físico ou gestual) era logo apelidado de alguma forma. Era uma característica dessa cidade do interior, que é muito peculiar no norte/nordeste, onde esse comportamento faz parte dos seus folclores!

Depois de sofrer anos seguidos nas garras dos colegas sacanas e debochados, um dia, o pai de Maria Rosa (esse era o seu nome), por ser funcionário público federal, foi transferido através de uma boa promoção para trabalhar em S. Paulo. Foi um grande furor dentro da família, pois, com esse deslocamento inesperado, seus vencimentos seriam quadruplicados e, pela sua capacidade técnica, ainda teria uma séria de benefícios complementares (casa, carro, plano de saúde especial, além de outras coisas mais que são destinadas aos funcionários graduados dessa bendita nação.

Como teria o prazo de quinze dias para se apresentar, trataram todos de preparar seus paninhos de bunda e, sem despedidas maiores, seguiram todos num voo da TAM e os apetrechos num caminhão da King Transportadora. Chegaram e se aconchegaram numa bonita e confortável casa num condomínio fechado e de alto gabarito, deixando todos (os pais, Maria Rosa, o irmão Luiz e a empregada que eles levaram por ser alguém que já estava com a família há mais de dez anos) deslumbrados com a mudança radical de status.

Todos se posicionaram em suas atividades e, Maria Rosa que era uma aluna exemplar, matriculou-se em uma maravilhosa escola, começou a malhar diariamente, colocou um aparelho ortodôntico para corrigir as arcadas dentárias e, para completar, fez uma cirurgia oftalmológica, eliminando, categoricamente, a necessidade de usar óculos. Abreviando, o fato é que depois de cinco anos ano, Rosinha (como era chamada em casa), tornou-se uma mulher linda, charmosa, sensual e com o semblante feliz que nunca foi visto durante a sua vida de discriminação na sua cidade natal. Formou-se em jornalismo, fez um teste na Globo logo foi escalada para apresentar um dos jornais, já com o pseudônimo sofisticado de Rosana Rosenberg.

Com um ano na Plim-Plim, namorou vários galãs, viajou por meio mundo e casou-se com Marcelo Anthony, complementando a sua realização de ter vencido uma série de adversidades que jamais imaginou que pudesse acontecer!

Então, nada disso adiantaria se não fosse à oportunidade de voltar a sua cidade natal como uma mulher consagrada, vencedora e, acima de tudo, linda e desejada. Preparou um projeto sobre o modismo atual do combate ao “bullying” e seguiu no jatinho particular global, chegando à cidade recebida com as maiores honras. Fez seu trabalho, viu uma porção que, no passado, lhe criticavam, gordos, barrigudos, feios, idiotizados e com seus trejeitos interioranos, aparecerem em sua frente, ainda com as manias de apelidos idiotas e depreciativos. Sentiu pena de ver os olhares de inveja!

O fato é que riu muito intimamente, sentiu-se vingada e, no fim do dia, voltou para sua maravilhosa vida em Sampa, não deixando de, no íntimo, agradecer aquele povo que, com seus comportamentos, lhe deram forças e coragem para dar uma volta por cima e transformar-se em outra pessoa.

Esse fictício exemplo mostra que, quando queremos...também podemos! Jamais nos acomodarmos e achar que não temos capacidade para realizar nossos sonhos. Lógico que temos que enfrentar uma grande luta, porém seja sempre guerreiro meu amigo ou amiga! Se outros podem, vocês também podem, pois, não existem pessoas mais especiais do que vocês!

Antonio Nunes de Souza, escritor,


* * *

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

UM MIMO DE DEUS


O Que Queres...


QUERES A LUA SÓ PARA TI?
Irei buscá-la para que ilumine teus sonhos
e possas despertar contente...


QUERES A QUIETUDE DAS MONTANHAS?
Irei buscá-la para que restaures teu ser
na paz que dela emana...


QUERES O LUME DAS ESTRELAS QUE AMANHECEM COM OS TEUS DIAS?
Irei buscá-lo para que não te prolongues
na noite fria da tua solidão...


QUERES O CEU LARANJA DO TEU ENTARDECER?
Irei buscá-lo para que possas
voltar teu olhar as alturas do teu ser...


QUERES O AMOR?
Irei busca-lo para que nele tu te libertes,
e encontres a alegria de simplesmente Ser...
Assim, estarei contente,
pois descobrirás na presença do amor,
que és muito mais do que o brilho da lua,
que a paz das montanhas,
que o lume das estrelas
ou que o céu glorioso do teu entardecer...
Na realidade, tudo isto foi feito apenas
para receber a tua presença santa;
pois es a maior beleza do Universo
para quem tudo foi feito e dado infinitamente.


(Autor não mencionado)


* * *

ACADÊMICO E POETA GERALDO CARNEIRO É O PALESTRANTE DA SEGUNDA CONFERÊNCIA DO CICLO “CADEIRA 41”


A Academia Brasileira de Letras dá continuidade ao seu Ciclo de Conferências intitulado Cadeira 41, com palestra do Acadêmico, poeta e letrista Geraldo Carneiro. O tema será No bar, com Tom Jobim, com a coordenação geral da Acadêmica Ana Maria Machado. O evento está programado para quinta-feira, dia 12 de setembro, às 17h30, no Teatro R. Magalhães Jr., Avenida Presidente Wilson 203 - Castelo, Rio de Janeiro. Entrada franca.
A intitulação Cadeira 41 remonta aos tempos de fundação da ABL, em 20 de julho de 1897. Criada nos mesmos moldes da Academia Francesa, o número máximo de Acadêmicos era de 40, o que continua até os dias de hoje. Este Ciclo, no entanto, pretende apresentar quatro nomes que poderiam ocupar, em suas épocas, uma dessas Cadeiras e, que, por razões diferentes e individuais, não se tornaram membros da Academia.
A Acadêmica e escritora Ana Maria Machado é a coordenadora geral dos Ciclos de Conferências de 2019.
Os Ciclos de Conferências, com transmissão ao vivo pelo Portal da ABL, têm o patrocínio da Light.
Serão fornecidos certificados de frequência.
Cadeira 41 terá mais duas palestras, às quintas-feiras, no mesmo local e horário, com os seguintes dias, conferencistas e temas, respectivamente: dia 19, Marisa Lajolo, Na classe, com Mestre Candido; e dia 26, Acadêmico Cacá Diegues, Com Jorge de Lima no coração
O Acadêmico
Geraldo Carneiro é poeta, letrista e roteirista de televisão, teatro e cinema.
É autor dos livros de poesia Em busca do Sete-EstreloVerão vagabundoPiquenique em Xanadu (prêmio Lei Sarney de melhor livro do ano), PandemônioFolias metafísicasPor mares nunca dantesLira dos cinquent’anos e Balada do impostor.
Publicou também Vinicius de Moraes: A Fala da Paixão Leblon: A Crônica dos Anos Loucos, além de alguns sonetos traduzidos de William Shakespeare, na coletânea Sonhos da Insônia (Impressões do Brasil, 97), publicada em parceria com Carlito Azevedo.
Escreveu letras para canções com diversos parceiros, tais como, Egberto Gismonti, Astor Piazzolla, John Neschling, Francis Hime, Wagner Tiso. Além de textos para cinema, teatro e TV. Pelo último roteiro escrito, a adaptação da novela O Astro, em parceria com Alcides Nogueira, recebeu o prêmio Emmy. 
No cinema, assinou os roteiros dos filmes Eternamente Pagu (1987), de Norma Bengell, e O judeu (1996), escrito com Millôr Fernandes, Gilvan Pereira e o diretor do filme, Jom Tob Azulay.
Teve diversos textos teatrais encenados, originais e traduções, entre os quais A Tempestade, As You Like It e Antonio & Cleópatra, de William Shakespeare; A Bandeira dos Cinco Mil Réis (encenada em 86, publicada em 92), Manu Çaruê (ópera pós-tudo com música de Wagner Tiso, encenada em 88).
Leitura complementar
Biblioteca Rodolfo Garcia disponibiliza seu acervo para pequisa e leitura de obras relacionadas ao tema desta conferência, como "João Ubaldo Ribeiro ou o banquete da linguagem""Poemas reunidos" e "Discurso de posse do Sr. Geraldo Carneiro e resposta do Sr. Antonio Carlos Secchin".
Para consultar mais materiais como os citados, acesse o link abaixo e visite os "Levantamentos bibliográficos" realizados para este evento.



* * *