Total de visualizações de página

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

TRÊS CIENTISTAS CONQUISTAM O PRÊMIO NOBEL DE QUÍMICA

04/10/2017
Copenhague
Da Agência EFE

Vencedores do Prêmio Nobel de Química  divulgação/Twitter Prêmio Nobel

Os cientistas Jacques Dubochet, Joachim Frank e Richard Henderson conquistaram o Prêmio Nobel de Química 2017, por desenvolver a "criomicroscopia eletrônica para a determinação estrutural de alta resolução de biomoléculas em soluções". O anúncio foi feito hoje (4) pela Academia Real das Ciências da Suécia. As informações são da EFE.

Jacques Dubochet é suíço, Joachim Frank, alemão, e Richard Henderson, escocês. Os premiados, explicou o júri, desenvolveram a "criomicroscopia eletrônica", uma técnica que permite observar em alta resolução biomoléculas, "método que levou a bioquímica a uma nova era".

"Os pesquisadores podem agora congelar biomoléculas" e "visualizar processos que nunca tinham visto antes, fato decisivo para o entendimento básico da química da vida e do desenvolvimento de medicamentos", argumenta a decisão.

Durante muito tempo acreditou-se que os microscópios eletrônicos só eram adequados para analisar matéria morta, porque seu potente feixe de elétrons destrói o material biológico.

Saiba Mais

No entanto, em 1990 Henderson conseguiu gerar uma imagem tridimensional de uma proteína com resolução atômica graças a um microscópio eletrônico, evidenciando o potencial desta nova tecnologia.

Frank, por sua vez, conseguiu generalizar as aplicações desta nova tecnologia e desenvolveu um método para processar as imagens em duas dimensões e transformá-las em 3D.

Dubochet acrescentou água ao microscópio eletrônico – fato que não era possível porque operava no vácuo. Para isso, vitrificou e esfriou a água tão rapidamente que ela se solidificou na sua forma líquida ao redor de uma amostra biológica, permitindo às biomoléculas conservar sua forma natural inclusive no vácuo.

Os cientistas
Nascido em 1942 na Suíça, Dubochet é professor honorário de Biofísica na Universidade de Lausanne; seu colega Frank nasceu em 1940 em Siegen (Alemanha) e trabalha na Universidade de Columbia de Nova York, e Henderson, nascido na Escócia em 1945, é professor de Biologia Molecular na Universidade britânica de Cambridge.

O prêmio é de 9 milhões de coroas suecas (equivalente a cerca de R$ 3,4 milhões), a ser dividido entre os premiados, depois que este ano a Fundação Nobel aumentou esse valor pela primeira vez em cinco anos.

Ao longo desta semana, a Academia Sueca anunciou os vencedores do Nobel de Medicina e também de Física. Amanhã será divulgado o nome do vencedor do Nobel de Literatura, e na sexta-feira o Nobel da Paz; o ganhador do Nobel de Economia será conhecido na próxima segunda-feira.



* * *

CHUVA DAS ÁGUAS NAS CAATINGAS - Antonio Lourenço de Andrade Filho

Chuva das Águas nas Caatingas

(postado há 3 anos, quando ICAL ainda era RSIC)


Naquele instante, olhando na vastidão do horizonte, montanhas!
Vislumbrando contornos, só alcançado pelos pássaros que vivem naquele lugar.
Local de difícil acesso
Mistérios que a vida contempla
Lançando-me perguntas difíceis de responder.
Perplexo, diante de tal majestade.
Simbolizando a grandeza do criador
Mas, herança que nos foi dada.
E que a tudo devemos fazer
Para que outros, no futuro a contemplem também.

Enquanto nuvens carregadas passam, levadas pelos ventos do Norte.
As cigarras cantam ruidosamente, anunciando que algo vai acontecer.
Pássaros emudecem, num gesto de respeito, segurando o seu canto para depois.  
Uma rã coaxa no gravatá, anunciando que poderá chover.
Dizer dos mais velhos
Observando ao redor, formigas apressadas, aos milhões.
Parecem mudar, prevendo talvez que aquele local não seja seguro.

O sol brilha e esquenta a terra que já está ressequida
Morta de sede, rachada, o calor incomoda.
Num ato de sobrevivência, a vegetação seca parece hibernar.
Garranchos secos parecem mortos, adormecidos.
Cantando uma musica o vento e espalha folha secas
Que estalam deslizando pelo chão
Um redemoinho levanta pequenos ciclones, que parecem levá-las para passear.
Até muito alto e descem flutuando por todo lado

Quem está descansando, após um árduo dia de trabalho
Naquele instante, só ouve o zumbido de uma mosca verde
Que insiste em dar voos rasantes em sua volta
Queimou goivaras no sol escaldante, fumaça que desapareceu no horizonte.
E olhando na imensidão daquele lugar!
Imagina a plantação que acabava de fazer
Lavrou o solo, jogou a semente, o suor derramou.
Agradecendo num gesto solene
Tirou o chapéu
Olhou para cima, estendeu o braço!
Reverencia, pedindo a proteção do Senhor.

Mês de setembro, inicio da primavera, hora de renascer.
Nuvens se aproximam ameaçadoramente
De repente um estrondo, trovões rugem na vastidão das montanhas
O céu parece rachar e rasgar
Uma luz corta o ar, desce para fertilizar a terra
Pingos fortes descem sucessivamente, vão se chocando ao solo
Uma ventania parece levar tudo, e passeia fortemente dentre as arvores
Retorcendo-as e quase as levando de encontro ao solo
Folhagens, quebra de galhos, arvore quebradiças
Açoitadas pelos ventos fortes, que esborrifam água
Por todo lado, num cenário ameaçador

Passando o primeiro momento, o céu se deságua em cortinas de chuva
Inundando tudo. Agora cai mansa insistente
A noite, através do velho telhado
Vêem-se os clarões
A chuva avança na madrugada
As águas derramam na bica transbordando os tanques
Que logo se trasbordam as fenda
Que transbordam os córregos
Que transbordam o lago
E descem para o rio, que ruge em direção ao mar
Levando entulhos, troncos, e descem as águas
Caudaloso rio, quebrando barrancos, lambendo as rochas
Espumando, das águas barrentas
Algum tempo depois, não sei quanto tempo
Não sei se horas, se dias, se meses
Só sei que a vida brota, o verde aparece, as folhas e as flores orvalhadas
Enfeitam as arvores que renascem
Outro anoitecer, vaga-lumes piscando na noite
Coaxar de sapos nas lagoas, tamborilando de diversas maneiras para o acasalamento
Na madrugada o corujão com seu canto misterioso
Transforma a noite num cenário de ilusões

Numa manhã, o solo devolve as nuvens
Que parecem brotar das montanhas na vastidão do horizonte
Levando-as de volta para o céu
O sol acorda com um brilho diferente
Lançando os seus raios dourados na manhã
Os pássaros cantam, os animais nascem sadios
As abelhas e borboletas perpetuam as espécies
Com o néctar retirado das flores
Como a beija-flor solitário, que com seus silvos anuncia sua presença
E logo some velozmente à procura de novas flores

Os lagos,  os rios agora enfeitados de linda vegetação
Renascem apresentando toda a beleza de plantas aquáticas que florescem
E aves que passeiam com suas longas pernas em busca de alimento para seus filhotes
As libélulas voam sob a água, dando toques sutis
Até o solitário gavião, espreita encima do galho seco, toda aquela beleza
Assim sim, assim foi... assim será... Será?
E nós? Será que nós não sabemos?
Que de onde nós viemos...
Que se a natureza não preservar
O futuro parece parar
Num curto espaço de tempo
Quem sabe
Amanha nada disso haverá?


Antonio Lourenço de Andrade Filho

 Este poema retrata a alegria de viver na Caatinga, que depois de grande jornada de seca, de repente renasce transbordando de beleza em todo o seu esplendor na época das chuvas das águas, e só quem vive lá é que conhece o verdadeiro significado das chuvas e da preservação ambiental, não só de seu bioma, como também do seu povo e de seus costumes, que de maneira cruel, vão se esgotando os recursos naturais e pondo em risco toda a biodiversidade local.
Jequié
-------------

Comentário: 

 Amigo Antonio Lourenço, sinto o tamanho da sua ternura,  seu conhecimento, compromisso, e  amor pelo meio ambiente... E fico a pensar como seria diferente a vida se políticos, governantes, universidades, jornalistas, emissoras de comunicação, redes sociais e demais formadores de opinião no mundo inteiro pensassem e agissem como você. Ao ler este teu poema ecológico CHUVA DAS ÁGUAS NAS CAATINGAS percebo extasiada a explosão da vida que teima em renovar-se apesar do homem. Para logo quedar-me estarrecida a partir do verso:  Assim sim, assim foi... assim será... Será?

ITABUNA CENTENÁRIA- RSIC/ICAL agradece a você pelas postagens de textos belíssimos e cheios de sabedoria. Abraços. EGLÊ.

* * *